SC registra 10 mortes causadas por meningite neste ano

No estado, foram diagnosticados 64 casos da doença. Prevenção e diagnóstico precoce são as melhores formas de combater a enfermidade.

Dez pessoas já morreram por causa da meningite em Santa Catarina neste ano, segundo dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC). Desde janeiro, foram confirmados 64 casos da doença, que afeta o sistema nervoso, em 31 municípios. Especialistas alertam que a prevenção e o diagnóstico precoce ainda são as melhores formas de combater a enfermidade.

Das 10 mortes, quatro foram de crianças, sendo que três delas tinham menos de um ano de idade.

Diferentemente de outras doenças, a meningite pode ser causada tanto por vírus, fungos, quanto por um tipo de bactéria.

As vacinas oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) protegem contra quatro tipos, incluindo a meningite tipo C, que já foi muito presente, mas que atualmente com a vacinação atinge menos a população. Para os outros tipos da doença é preciso procurar a prevenção em clínicas particulares.

Os sintomas da meningite começam com uma dor de cabeça e febre, e vão evoluindo em poucas horas para vômito, diarreia, manchas na pele e o que os médicos consideram como diferencial: o paciente começa a sentir que a nuca vai ficando rígida e é difícil fazer movimentos para cima e para baixo com a cabeça. Nesses casos, é preciso procurar uma unidade de saúde o quanto antes.

“Dependendo do tipo de bactéria essa doença pode ter uma evolução muito rápida. No caso da doença meninocócica, mais conhecida como meningite, a pessoa ter uma evolução rápida em 24 ou 48 horas. Mas o importante mesmo é o diagnóstico precoce e o tratamento precoce”, disse o médico infectologista Antônio Miranda.

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) atualizou a recomendação para todos os profissionais de saúde que fazem esse primeiro atendimento.

“Os profissionais devem ficar atentos quando identificarem um caso suspeito de doença meningocócica e agir prontamente, principalmente no tratamento ao paciente, na coleta da amostra laboratorial para que a gente possa identificar o meningococo, e também a população para ficar atenta: aos primeiros sintomas, procurar uma unidade de saúde”, disse Eduardo Macário, Diretor da Dive-SC.

“As pessoas têm que se cuidar, têm que estar bem alimentadas, ter uma atividade física, tem que evitar ou minimizar o excesso de estress, estar em ambientes bem ventilados, evitando a aglomeração, porque é dessa forma que os vírus e as bactérias se transmitem”, disse Miranda.

Municípios que tiveram registros da doença:

  • Florianópolis: 8 casos
  • Blumenau: 5 casos
  • Joinville: 4 casos
  • Criciúma, Lages, Itajaí, Tubarão, Içara e São José: 3 casos
  • Brusque, Gaspar, Braço do Norte e Jaraguá do Sul: 2 casos
  • Balneário Camboriú, Biguaçu, Barra Velha, Camboriú, Correia Pinto, Içara, Imbituba, Lauro Muller, Palhoça, Piçarras, Presidente Getúlio, Rancho Queimado, Santa Rosa de Lima, São Joaquim, São João Batista, Urussanga, Urubici e Xaxim: 1 caso cada

Fonte: G1

Compartilhe