SBIm reafirma a importância da vacinação da população como proteção individual e coletiva.

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) divulgou nota pública no dia 1 de setembro sobre a importância da vacinação regular da população brasileira. O comunicado surgiu em virtude da declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro, de que “ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”.

A SBIm destaca que a “vacinação está entre os instrumentos de maior impacto positivo em saúde pública em todo o mundo, contribuindo de forma inquestionável para a redução de mortalidade e o aumento da qualidade e da expectativa de vida.”

Além disso, reafirma que a “graças à vacinação, foi possível erradicar a varíola e praticamente erradicar a poliomielite, presente, hoje, em apenas dois países.”

A SBIm lembra ainda a relevância do Programa Nacional de Imunizações (PNI) brasileiro. “É considerado um dos mais bem‐sucedidos do mundo. Além da varíola e da pólio, foram eliminadas do território nacional a rubéola, a síndrome da rubéola congênita, o tétano materno e o tétano neonatal,” esclarecendo que “estas e outras tantas conquistas estão atreladas à adesão do brasileiro à vacinação e ao reconhecimento por estes da importância das vacinas na prevenção de graves danos à saúde.

Por fim, a nota conclui:

“A SBIm entende que é dever das autoridades públicas e dos profissionais da saúde conscientizar a população acerca da importância da vacinação, independentemente da obrigatoriedade, sob pena de vivermos retrocessos como a volta do sarampo devido às baixas coberturas vacinais. Entende também que é dever de cada pessoa buscar a vacinação com o objetivo não apenas da proteção individual, mas também coletiva. É essencial lembrar que o artigo 14 do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990) define a obrigatoriedade da vacinação para este grupo, cabendo a aplicação de penalidades pelo descumprimento.”

Veja o PDF da íntegra da nota.

nota-sbim-obrigatoriedade-vacinar-200901

Compartilhe