Risco de infecção por sarampo pode aumentar 50% até 2050

Com os actuais programas de vacinação, a percentagem de indivíduos em risco de contrair sarampo deverá aumentar mais de 50% entre 2018 e 2050. Nos países mais afectados, nem medidas excepcionais como a proibição de entrada na escola sem vacinas vão conseguir evitar surtos da doença

Os movimentos antivacinação e a hesitação de alguns pais em várias regiões do mundo estão a ameaçar seriamente a manutenção da alta cobertura contra o sarampo se apenas confiarmos nos actuais programas de imunização. É preciso pensar em novas e eficazes estratégias, adaptadas à realidade de cada país e que sejam capazes de evitar o aumento de indivíduos susceptíveis (não vacinados) e, ao mesmo tempo, resolver as lacunas noutros grupos etários que escaparam aos programas e actualmente não estão protegidos. Para (voltar a) eliminar o sarampo é preciso muito mais do que o que estamos a fazer, conclui-se no estudo divulgado esta sexta-feira na

“Nos últimos anos, assistimos a um ressurgimento do sarampo mesmo em países onde, de acordo com as directrizes da Organização Mundial da Saúde, a eliminação já deveria ter sido alcançada”, lê-se na introdução do artigo publicado na BMC Medicine, que faz parte do grupo Springer Nature. Nos países mais ricos, constatam ainda os investigadores do Centro para Tecnologia de Informação, em Trento, e da Universidade de Bocconi, em Milão, ambos em Itália, “o aumento dos movimentos antivacinação e a hesitação parental sobre as vacinas estão a colocar grandes desafios para a obtenção e manutenção de alta cobertura com os rotineiros programas de vacinas”. Prova disso será o facto de Itália e França terem já aprovado novos regulamentos, respectivamente em 2017 e 2018, com o objectivo de aumentar as taxas de imunização entre as crianças, introduzindo a vacinação obrigatória na entrada na escola.

Neste trabalho, os investigadores estudaram sete países diferentes (Reino Unido, Irlanda, Itália, Estados Unidos, Austrália, Singapura e Coreia do Sul) para simular a evolução dos perfis de imunidade contra esta doença e avaliar o efeito de possíveis ajustes nos programas de vacinação. No início desta semana, os Centros para Controlo e Prevenção de Doenças anunciaram um novo total de 839 casos individuais de sarampo em 23 estados dos EUA desde o início do ano, representando o maior surto de sarampo naquele país nos últimos 25 anos.

A análise teve em conta as características demográficas específicas de cada país, considerando as actuais lacunas de imunidade em indivíduos de determinados grupos etários, e os dados registados em 2018. Os cientistas apresentam diferentes cenários para a evolução até 2050 que, resumidamente, se baseiam na melhoria ou manutenção das estratégias existentes e que são garantidas por programas nacionais de vacinação e, por outro lado, na possível adopção de outras medidas excepcionais como a introdução de uma vacinação obrigatória na entrada na escola primária em países onde existe ensino obrigatório.

Continue lendo. 

Fonte: Publico Portugal

Compartilhe