Quais vacinas protegem contra a meningite bacteriana?

A meningite pode ser fúngica, viral ou bacteriana. Essa última é a considerada a mais grave, podendo levar uma criança à morte em poucas horas. Como aconteceu com Arthur, de 7 anos, neto de Lula.

Nesta sexta-feira (01), a triste notícia da morte do neto do ex-presidente Lula, Arthur Araújo Lula da Silva, de 7 anos, deixou muitos pais preocupados. O menino, que deu entrada no Hospital Bartira, do grupo D’Or, em Santo André, na Grande São Paulo às 7h20 da manhã, morreu cerca de 5 horas depois. Segundo a assessoria de imprensa do hospital, ele foi diagnosticado com meningite meningócócica e não resistiu depois que o quadro infeccioso se agravou.

Segundo o pediatra Nelson Douglas Ejzenbaun, membro da Sociedade Brasileira de Pediatria e Academia Americana de Pediatria, a meningite bacteriana é uma doença de evolução rápida. “Quando os sintomas surgem, é sinal que o quadro já está grave e pode evoluir para óbito em poucas horas”, explica. O que acontece, de acordo com o pediatra, é que “ela causa uma lesão no tecido cerebral”. Ainda de acordo o especialista, os principais sintomas são febre, dor de cabeça, vômito, confusão mental, mal estar e pescoço rígido, isto é, quando a criança não consegue encostar o queixo no peito.

Saiba como proteger a criança

A única forma de prevenção contra a doença é a vacinação. De acordo com a mãe de dois filhos e sócia da clínica HumaniCare, Anik Costa, as vacinas disponíveis hoje para a prevenção contra as meningites bacterianas são:

– Meningite C, que protege contra o meningococo C, e está disponível na rede pública e na privada.

– Meningite A,C,W,Y, que protege contra 4 tipos de meningococo o A, o C , o W e o Y, disponível apenas na rede privada. O

– Meningite B, que protege contra o meningococo B e é oferecida apenas na rede privada.

Fonte: Revista Crescer

Compartilhe