OMS alerta para o aumento de casos de sarampo no mundo

Segundo o Ministério da Saúde, quase metade dos municípios brasileiros não atingiu a meta de vacinar 95% das crianças de 1 a menos de 5 anos de idade.

A Organização Mundial da Saúde emitiu um alerta para o avanço do sarampo no mundo. No Brasil, quase metade dos municípios não cumpriu a meta de vacinação, em 2018. O país corre o risco de perder o certificado de eliminação da doença concedido pela OMS.

O Daniel está chorando por um bom motivo. Ele acabou de fazer 1 ano de idade e tomou a vacina tríplice viral, que também protege contra o sarampo. A mãe dele, a médica Patrícia del Corona, não dá bobeira com a carteira de vacinação.

“As pessoas esquecem que as doenças que a vacina previne são muito piores do que algumas reações possíveis que possam acontecer”, disse.

Nesta semana, a Organização Mundial da Saúde emitiu um alerta para o aumento de casos de sarampo no mundo. Em 2016, o Brasil recebeu um certificado de eliminação da doença, mas, três anos depois, a situação não é mais tão tranquila.

O Brasil tem motivos para se preocupar com o sarampo. Em 2018, 11 estados enfrentaram um grande surto da doença. Foram mais de 10.300 casos no país. O ano de 2019 mal começou e já se sabe que o vírus continua em circulação. E, apesar disso, a procura pela vacina nos postos está bem longe do ideal.

Segundo o Ministério da Saúde, quase metade dos municípios brasileiros não atingiu a meta de vacinar 95% das crianças de 1 a menos de 5 anos de idade.

No Pará, em Roraima e no Amazonas, três estados com casos de sarampo confirmados recentemente, os índices estão bem baixos.

A médica Mônica Levi, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações, alerta que, quem não foi vacinado ou não sabe se foi, deve procurar um posto, não importa a idade.

“Os pais jovens de hoje foram vacinados contra a pólio, contra sarampo. A gente brinca que as vacinas foram vítimas do próprio sucesso. Elas tornaram ausentes. Ou erradicaram ou tornaram muito controladas e essas pessoas hoje, que são pais jovens, não têm a percepção do risco. O sarampo é uma doença que pode ter uma evolução muito grave e inclusive fatal”, explicou.

Fonte: G1

Compartilhe