Ministro da Saúde diz que erradicação de doenças não pode dar falsa sensação de que vacinas são desnecessárias

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, disse neste sábado (18), em Belo Horizonte, que a erradicação de doenças não pode dar a falsa impressão de que a imunização não é necessária.

Occhi acompanhou, em um posto de saúde da capital mineira, a vacinação de crianças de 1 a 5 anos neste Dia D de multivacinação contra o sarampo e a poliomielite, mais conhecida como paralisia infantil.

“Normalmente, é falsa essa ideia de que a doença não existe porque você não a vê do seu lado. Mas nós temos uma preocupação permanente com relação à vacinação e este é o apelo que fazemos aos pais, às mães, aos professores”, disse o ministro sobre a importância da vacinação.

Desde fevereiro, já foram confirmados 1.237 casos de sarampo no país e outros 5.731 ainda estão em investigação. Seis mortes pela doença foram confirmadas. Os casos foram registrados no Amazonas e em Roraima.

O avanço do sarampo é registrado menos de dois anos após o Brasil ter recebido um certificado de eliminação da doença pela Organização Pan-Americana de Saúde.

Os casos acontecem em meio a uma queda recorde nas taxas de coberturas vacinais. Em 2017, o Brasil teve o mais baixo índice de vacinação de crianças em mais de 16 anos.

A expectativa do Governo Federal é vacinar, em todo o país, 11 milhões de crianças na faixa etária da campanha, que começou no dia 6 de agosto.

Até a tarde deste sábado (18), 40% deste universo havia recebido as doses das vacinas contra o sarampo e a poliomielite em Minas Gerais. A mesma prévia se repete no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. A meta é, até o fim deste sábado, dobrar este percentual. O balanço de vacinação deve ser divulgado durante a semana.

Em relação à paralisia infantil, a vacinação é uma precaução, já que 312 cidades estão abaixo da meta definida para o controle da doença e um caso foi registrado na Venezuela em junho. Não há, contudo, casos de paralisia infantil no Brasil desde 1989.

A campanha vai até o dia 31 de agosto. Mas as vacinas são oferecidas pelos postos de saúde durante o ano inteiro.

Quem deve ser vacinado?

  • Contra a poliomelite: crianças de 1 até 5 anos independentemente de quantas doses já tomou. Em casos de nenhuma dose, será aplicada a Vacina Inativada Poliomielite. Em caso de uma ou mais doses, será aplicada a Vacina Oral Poliomielite, a famosa “gotinha”.
  • Contra o sarampo: crianças de 1 até 5 anos independentemente de quantas doses já tomou.
  • Não devem ser vacinadas: crianças de 1 até 5 anos que tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

Fonte: G1

Compartilhe