Alemanha propõe multas para quem não vacinar crianças contra sarampo

ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, submeteu ao governo um projeto de multa de até 2,5 mil euros (o equivalente a R$ 11 mil na atual cotação) para os pais ou responsáveis que não vacinarem as crianças em idade escolar contra o sarampo.”O objetivo é garantir que as pessoas sejam imunizadas”, disse ele.

A lei proibiria as crianças que não foram vacinadas de frequentar a pré-escola. Na Alemanha, as crianças são obrigadas ir para o colégio a partir dos seis anos.

O projeto de Spahn é uma replicação em nível nacional de esforços em várias comunidades do país. Em abril, o estado de Brandeburgo, no nordeste da Alemanha, tornou-se o primeiro a introduzir vacinas obrigatórias para crianças que frequentam o jardim de infância.

Alguns alemães pediram que as vacinas sejam obrigatórias em todo o território nacional, mas isso levantou uma discussão sobre a liberdade das famílias. “Temos tido esse debate nos últimos 10, 20 anos”, falou o ministro para à emissora ZDF. “Sempre que há um surto e crianças ou estudantes têm que ser mantidos longe das aulas, todo mundo diz que podemos, devemos fazer alguma coisa, mas não o suficiente.”

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que os casos de sarampo no planeta aumentaram 300% em 2019 em comparação com o primeiro trimestre de 2018. Além disso, a agência de saúde das Nações Unidas observou que mais de 34 mil pessoas na Europa, só nos primeiros dois meses deste ano, contraíram a doença.

Segundo o jornal The Washington Post, a maioria dos casos – 25 mil até agora – ocorreu na Ucrânia, que está no meio de um surto que supostamente se espalhou de Israel. A Alemanha, que teve cerca de 500 casos de sarampo em todo o ano de 2018, já registrou 300 ocorrências só em 2019.

O sarampo é altamente contagioso, e totalmente evitável – desde que as pessoas sejam vacinadas. Grande parte das pessoas contaminadas não foi vacinada, ou ainda sub vacinada (a imunização é de duas doses).

“Se a resposta ao surto não for oportuna e abrangente, o vírus vai encontrar mais indivíduos vulneráveis ​​e potencialmente se espalhar para outros países”, alertou a OMS.

Na edição de maio da GALILEU, destacamos destaca como o movimento contra vacinas ameaça sua saúde. Leia um trecho da reportagem.

Fonte: Revista Galileu

Compartilhe